Criança é agredida em escola pública do DF por já ter sido estrábica, diz pai

Sem conseguir transferência dentro da rede pública de ensino, o adestrador de cães Vilmar de Oliveira afirma que precisou tirar a filha da escola após uma sequência de episódios de bullying no Distrito Federal. Ele diz que as agressões e xingamentos ocorrem há mais de um ano e que, mesmo já tendo notificado a Secretaria de Educação e o Ministério Público, nada foi feito. A criança já teve a testa cortada, foi atingida com socos no olho e teve a mão prensada contra o vidro de um ônibus escolar.

Por e-mail, a Secretaria de Educação disse que convocou os responsáveis pelos alunos para conversa e registrou em ato escolar. Também informou que fez advertências, que acionou o Batalhão Escolar e que aguarda convocação do Ministério Público para fazer a mediação. Ler matéria completa