Atraso causado pela greve nas federais prejudica formandos em PE

Por causa da greve nas universidades federais, que duraram cerca de quatro meses em Pernambuco, ano passado, o segundo semestre letivo de 2012 ainda não terminou em parte dos campi. Nos casos mais extremos, em que a paralisação durou até setembro, como na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), as aulas de 2012 vão perdurar até o mês de abril deste ano. Isso quer dizer que os aprovados no listão divulgado na semana passada, por exemplo, só vão começar a estudar no final de maio. Em outro caso, mais grave, a Universidade do Vale do São Francisco (Univasf) não tem sequer o calendário acadêmico definitivo.

Nesse contexto de atraso, muitos alunos se sentiram prejudicados com relação à formatura, ao andamento das aulas e prazos de inscrição para empregos e estágios, chegando a perder ou postergar oportunidades cruciais para a formação profissional. É o caso de Malu Xavier, que estuda arquitetura na UFPE e afirma ter sido obrigada a deixar passar algumas vagas em programas de trainee porque ainda não tinha previsão de formatura. Ler matéria completa