Após levar tiro no Congo, professor refugiado cria curso de francês em SP

O português básico de Omana Ngandu ainda impede que as conversas com os brasileiros que ele conheceu nesses cerca de dois anos vivendo como refugiado em São Paulo entrem em detalhes de sua vida. Nascido na República Democrática do Congo. Professor de francês. Ativista pelo direito das mulheres em uma zona de guerra onde as mulheres enfrentam altíssimos índices de violência. Marido e pai de seis filhos (a mais nova tem dois anos; a mais velha foi assassinada em meio à guerra). Um católico fervoroso que passou a última noite de Natal, e todas as noites desde 15 de fevereiro de 2013, longe da família.

Na noite desta quinta-feira (24), enquanto se arrumava para pegar o metrô e encontrar Hanah da SIlva, a voluntária do Adus – Instituto de Reintegração do Refugiado que o recebeu para a ceia de Natal, Omana contou ao G1 que estava triste. Ler matéria completa