Interação gênica

Ocorre quando dois ou mais pares de genes controlam a mesma característica. Estes genes podem ou não estar localizados em um mesmo cromossomo, e podem ou não interagir na mesma via metabólica. Neste caso ocorre o oposto da pleiotropia, quando um único par de genes determina ao mesmo tempo mais de uma característica do organismo.

Exemplo: forma da crista em galinhas

Característica condicionada pela interação de genes em dois loci que se segregam independentemente.  Esses genes denominados r e e, interagem determinando quatro formatos de cristas diferentes: simples, noz, ervilha e rosa.

 

Cruzamento entre galinhas

Crista noz: um alelo dominante para cada lócus R_E_

Crista rosa: quando há ao menos um alelo dominante para o gene r (R_ee).

Crista ervilha: quando há pelo menos um alelo dominante para o gene e (rrE_).

Crista simples: ocorre somente quando todos os alelos são recessivos (rree).

Homozigota de galinhas com crista ervilha x Homozigota de galinhas com crista simples

F1 – 100% crista ervilha

F2 – 3:1 – crista ervilha para crista simples

Homozigota de galinha de crista ervilha x Homozigota de crista rosa

F1 – 100% crista noz

F2 – 4 tipos de crista – 9:3:3:1

Tipos de interação gênica

Ocorre quando um alelo de um gene impede a expressão dos alelos do outro gene. Este fenômeno se assemelha ao efeito de dominância. A diferença é que a dominância ocorre quando um alelo impede a expressão de outro no mesmo lócus, enquanto na epistasia ocorre inibição da expressão de alelos em outros lócus, que podem estar no mesmo cromossomo ou em outro.

O alelo de um gene que inibe o outro gene é denominado alelo epistático, os alelos que são inibidos são denominados alelos hipostáticos. Os alelos epistáticos podem apresentar efeito dominante ou recessivo sobre os alelos hipostáticos.

Epistasia dominante: necessário apenas um alelo epistático para inibir o hipostático.

Epistasia recessiva: necessário dose dupla do alelo epistático.

 

Epistasia dominante

Exemplo: cor do fruto de abóbora (cor de abóbora, branca ou verde)

Alelo I – cor branca e inibe o alelo hipostático V, que condiciona as cores cor de abóbora e verde.

Branca: IIVV, IIVv, IIvv, IiVV, IiVv, Iivv

Cor de abóbora: iiVV, iiVv

Verde: iivv

 

Epistasia recessiva

O gene a é responsável pela cor dos pelos. O alelo A (dominante) condiciona pelagem aguti e o alelo a condiciona a pelagem preta. Mas existe a interferência do gente c; o alelo C permite a manifestação do gene a, mas, quando seu alelo c se encontra em homozigose, o gene a é inibido, resultando na ausência de pigmentos (ratos albinos).

Exemplo: cor da pelagem em ratos (pretos, albinos e aguti)

Aguti: CCAA, CCAa, CcAA, CcAa

Preto: CCaa, Ccaa

Albino: ccAA, ccAa, ccaa

Deixe uma resposta