Determinação do Sexo

Em algumas espécies, o sexo é determinado cromossomicamente, nestes casos, os cromossomos envolvidos são chamados de cromossomos sexuais ou heterocromossomos.

Em todos os mamíferos, incluindo a espécie humana, eles são denominados X e Y. Os machos têm o par de cromossomos sexuais XY e as fêmeas o par XX.

Fenótipo sexual se relaciona ao tipo de gameta produzido.

O sexo pode ser determinado por muitos mecanismos distintos. Em algumas espécies, a determinação do sexo está relacionada a fatores ambientais, como corre em muitas espécies de tartarugas e outros répteis. Nesses animais, o sexo do filho é determinado pela temperatura na qual o ovo é incubado.

Na maioria dos casos, o sexo é determinado por um par de cromossomos diferenciados, denominados cromossomos sexuais, e os cromossomos que não estão envolvidos na determinação do sexo são chamados autossomos.

Determinação sexual XX-X0

Nos gafanhotos ocorre uma das formas mais simples de determinação sexual: as fêmeas tem um par de cromossomos sexuais XX, e os machos têm apenas um cromossomo sexual. Nesse caso, o sexo masculino é representado por X0, em que o zero indica a ausência de um cromossomo sexual.

Durante a divisão meiótica em fêmeas, os cromossomos X, homólogos são separados. Ao final do processo são formados quatro óvulos, todos com um cromossomos X. Nos machos, o único cromossomo X segrega-se durante a meiose. Como resultado, metade dos espermatozóides produzidos apresentam um cromossomo X, enquanto a outra metade não carrega cromossomos sexuais.

Como os machos produzem dois tipos de gametas com relação à presença ou ausência de cromossomos sexuais, eles são chamados de sexo heterogamético. As fêmeas, que produzem gametas iguais, constituem o chamado sexo homogamético. Neste sistema é o gameta masculino, portanto, que determina o sexo da prole.

Determinação sexual XX-XY

Em diversas espécies, machos e fêmeas apresentam o mesmo número de cromossomos. Entretanto, as células das fêmeas contêm dois cromossomos sexuais do mesmo tipo, chamados cromossomos X, e as células dos machos contêm dois tipos de cromossomos sexuais, o X e o Y.

O sexo masculino é heterogamético. O sexo masculino é homogamético.

Nos seres humanos, o genoma masculino é representado por 46, XY, e os espermatozóides são representados por 23, X e 23, Y. O genoma e os gametas femininos são representados por 46, XX e 23, X, respectivamente.

No mecanismo XX-XY o sexo de um indivíduo é determinado por um gameta masculino, assim como acontece no mecanismo XX-X0.

Determinação sexual ZZ-ZW

Machos e fêmeas apresentam o mesmo número de cromossomos, mas o sexo heterogamético é o feminino, ou seja, são as fêmeas que têm dois tipos de cromossomo sexual. Os machos apresentam dois cromossomos sexuais do mesmo tipo e, portanto constituem o sexo homogamético.

Com o objetivo de marcar a distinção com o sistema XX-XY, os cromossomos sexuais nesse sistema são chamados de Z e W. Assim, as fêmeas são ZW e formam óvulos Z e óvulos W, enquanto os machos são ZZ e produzem apenas espermatozóides Z. Esse sistema ocorre em aves, em diversas espécies de répteis e de anfíbios e em algumas espécies de insetos, como mariposas e borboletas.

Determinação do sexo em seres humanos

Determinado pelo sistema XX-XY. O cromossomo X é um dos maiores cromossomos humanos. O cromossomo Y, ao contrário, apresenta poucas dezenas de genes, e vários deles estão relacionados a características sexuais masculinas.

Os cromossomos sexuais humanos

X e Y não são homólogos. Nos seres humanos, a determinação do sexo masculino depende mais especificamente do gene SRY, sigla para região do Y determinante do sexo. Embora, o SRY seja determinante para constituição do sexo masculino, outros genes – ligados ao X, ao Y, e até mesmo aos autossomos – também desempenham um papel na fertilidade e no desenvolvimento das diferenças entre os fenótipos sexuais.

 

Deixe uma resposta