Análise de cruzamentos genéticos

Nos casos de cruzamentos com três ou mais características, como é o caso do cruzamento tri-híbrido realizado por Mendel, o uso do quadro de Punnett não é prático, mas o uso de outra ferramento, o diagrama ramificado, facilita a identificação dos gametas, bem como a determinação dos genótipos dos descendentes.

Identificação dos tipos de gametas

Ex: indivíduo AaBb –

A — B —–> gameta AB a — B —-> gameta aB

A — b —–> gameta Ab a — b —-> gameta ab

Esses diagramas são empregados também nos casos de transmissão de três ou mais genes.

Ex: aaBbCC

a — B — C —> gameta aBC

a — b — C —> gameta abC

Ex: AabbCcDD

A — b — C — D —> gameta AbCD

A — b — c — D —> gameta AbcD

a — b — C — D —> gameta abCD

a — b — c — D —> gameta abcD

Determinação do número de combinações genotípicas em um cruzamento

No cruzamento tri-híbrido realizado por Mendel, o número de tipos de gameta que cada híbrido de F1 pode produzir é 23 = 8, portanto, o número de combinações genotípicas possíveis na autofecundação desse híbrido é 8 x 8 = 64. Ou seja, os oito tipos de gameta produzidos por planta RrVvBb podem combinar-se aos pares de 64 maneiras.

Determinação do número de genótipos na geração resultante

O número de genótipos produzidos na prole geralmente é menor que o número de combinações genotípicas possíveis.  Isso porque algumas combinações resultam no mesmo genótipo. Para obter o número de genótipos resultantes de um cruzamento deve-se calcular primeiro quantos genótipos resultam de cada lócus.

Número de genótipos = 3n em que 3 representa o número de genótipos (ex: RR Rr rr) possíveis de cada lócus e n o número de loci em heterozigose (ex: Rr Vv Bb).

Identificação das proporções fenotípicas na geração resultante

A proporção esperada para cada fenótipo é dada pela multiplicação das proporções calculadas em cruzamentos individuais.

Deixe uma resposta